1. DEIXOU DE SER HOMEM PRA SER CDZINHA E TREPAR COM MECÂNICO GOSTOSO


    Encontro: 17/02/2019, Categorias: Travestis, Autor: parrudinhocontador, Fonte: ContoErotico

    Olá! Como quem acompanha os meus contos já sabe, eu sou uma pessoa real, casado, mas que aqui e no Blog "Contos de Banana" eu me identifico por Escritor ou Mr. Banana, tenho pouco mais de 30 anos, moro em São Paulo, mas adoro contar histórias reais (Sempre reais) de amigos e gente safada como eu que adora sexo.Hoje vou começar a história de Andrezinho, ela na verdade é um cara casado que conheci através dos meus contos e me contou um caso que ele vem tendo com um mecânico aqui de São Paulo - SP. COMO CONHECI MEU MECÂNICO!Oi, garotos, meu nome é Andre ou Andrezinho como queiram chamar, sou branquinha, casada e bem safada, tenho 172m e 70kg, tenho 27 anos e moro em São Paulo. Sou casado (a) e adoro me vestir de mulher, quando estou assim me sinto uma mulher. Essa é uma história real, um caso que estou vivendo e contei para meu amigo, Mr. Banana que está escrevendo o conto.VAMOS AO CONTO!Bom, sempre tive tara por mecânicos, ogros sujos, com o corpo todo melado de óleo, fedendo mesmo como queiram chamar, mas pra mim é perfume de macho. Tem um no meu bairro que me enlouquece e eu sei que enlouquece muito gente, o nome dele e Dudu, a mulherada e os viados do bairro são todos loucos por ele. Tão gostoso e lindo. Dudu é um morenão, forte, alto, cara de safado, não pode ver um rabo de saia que quer logo comer, e eu sei que ele é do estilo "Raí", mecânico de uma novela antiga da Globo, já comeu muita gente!Algumas vezes que precisava fazer alguma coisa no carro, sempre fazia com ele ...
    só pra estar perto dele, do nada já ia lá. Um dia soube que ele na verdade gostava de CD também, nem sabia e nem sei direito ainda o que é ser CD, mas me disseram que era homem que gostava de usar calcinha. Então, se eu queria aquele macho, tinha que arriscar e foi o que fiz. Um dia dei uma batidinha numa das lanternas do meu carro só pra ter um motivo pra ir lá. E fui, mas fui de calcinha e numa hora que ele estava fechando a oficina, por volta de 17:30h. Cheguei, falei com ele, ele me pediu pra aguardar e quando já tinha ido quase todo mundo embora, levantei e fui falar com ele, chamei-o até o carro e dei um jeito de ele ver que eu estava de calcinha. Na mesma hora percebi que a voz dele mudou e o olhar mudou. O que me deixou louca. Mesmo assim, naquele dia não rolou nada, acho que ele tinha um encontro....E O TEMPO PASSOU!Os dias passaram, eu fiquei com vergonha, por ele ter me visto de calcinha e não ter rolado nada, fiquei uns dias sem passar por lá, e passados uns três mesmo eu acabei sendo contratado para prestar serviços de consultoria a uma empresa que fica na rua da oficina dele. Era um trabalho irrecusável e iria durar alguns meses, pior que sempre precisaria estacionar o carro perto da oficina do Dudu. Toda vez que eu passava pra ir no clientes, acho que ele ficava imaginando-me de calcinha, sei lá. Era um olhar diferente de antes do acontecimento, mas tinha medo dele ter contado pra alguém, mesmo assim eu pensava nele, e sempre ia de calça apertada para valorizar ...
«1234»