1. Eu e a minha esposa numa casa de swing - Real


    Encontro: 09/04/2018, Categorias: Traição / Corno, Autor: donajoana, Fonte: ContoErotico

    Quando casei com a Marcia, sabia que ela tinha tido muitos namorados. Ela era uma garota fácil e os caras sabiam e a disputavam. Ela é bem gostosa e eu me apaixonei. Loira, carinha de safada e uns seios volumosos, mas bem proporcionados, já para não falar de uma bunda bem gostosa, faziam que ao pé dela nenhum cara ficasse indiferente. O facto de ter tido muitos namorados, me deixava doido de ciúmes.Namorámos um ano e nos casámos. Nos primeiros meses, parecíamos coelhos, fodiamos várias vezes ao dia. Depois a nossa relação foi esfriando e passavam-se semanas sem haver nada entre nós. Foi ela um dia que me falou de uma amiga, que o marido a tinha levado a uma casa de swing no dia de aniversário de casamento e que lhe tinha sido uma experiência super gostosa. Perguntei-lhe se ela gostava que eu também a levasse e para surpresa minha, com cara bem safada me respondeu que sim. A minha cabeça ficou a mil á hora, por um lado morrendo de ciúmes, por outro com vontade de a levar. Sim, quem nunca bateu uma punheta pensando na sua esposa a ser comida por outro cara?Acabei por fazer a vontade á Márcia e num dia á noite a levei a uma casa de swing, perto do porto, numa zona escura e antiga da cidade. Ela ia bem gostosa, com um vestido super curto e justo e com umas sandálias de salto alto. Entrámos para uma sala grande, com uma pista de dança. Senti a minha esposa ser o centro dos olhares dos caras que estavam na sala. A Marcia ficou sentada numa mesa, perto da pista de dança e eu ...
    dirigi-me ao bar e pedi duas cervejas. Quando regressei á mesa onde estávamos, não vi a Márcia. Fiquei aflito, olhei á volta e vi-a na pista de dança, a dançar com um cara. O cara roçava o corpo no da minha esposa, com as mãos assentes nas ancas dela. Ela baloiçava as ancas ao ritmo da música. Tive o meu primeiro ataque de ciúmes, mas contive-me. Quando a música terminou, fui buscá-la á pista de dança e trouxe-a para a mesa, puxando-a por uma mão. Ao fim de uma hora, começámos a ver os casais a dirigirem-se por uma porta que ficava no final da sala.Passámos pela porta e deparámo-nos com um corredor enorme. Ao longo do quarto, existiam portas que davam para quartos para onde os casais iam entrando. Eu e a Márcia nos beijámos prolongadamente no corredor, depois excitados, entrámos para um quarto. Eu deitei-me numa cama e ela por cima de mim, de gatas, abriu as minhas calças e começou a mamar o meu pai. Eu estava nervoso e tinha o pau meio mole. Ela continuou a mamar e ao fim de algum tempo, levantou a cabeça e com cara de safada, olhou para mim e me disse para olhar para trás dela. Estava um cara que lhe tinha baixado as cuequinhas a lamber-lhe a buceta. Fiquei furioso de ciúmes, me levantei de imediato, peguei nela e fomos embora.Quando chegámos a casa ela me deu a maior bronca. Ela me disse, que se era para aquilo, então nunca mais iria comigo a uma casa de swing. Que o marido da amiga não se tinha portado como um garoto, como eu. Achei que ela tinha razão. Tínhamos gasto dinheiro ...
«123»