1. Travesti reprojeta vida de arquiteta VI


    Encontro: 10/09/2018, Categorias: Travestis, Autor: mktmktmkt, Fonte: ContoEroticoComBr

    livremente dentro dela. Sabrina era uma amante impressionante. Mesmo enlouquecida de tesão, ela conseguia se controla o suficiente para alternar as enfiadas, ora profundas e lentas ora mais rasas e rápidas. Segurava a cintura de Juliana, mantendo-a sob seu controle, e puxava seus cabelos pra trás, trazendo seu rosto para beijá-la e sussurrar obscenidades em seu ouvido. – Nunca comi uma putinha tão gostosa como você. Você tá mesmo precisando de rola, né? Teu maridinho brocha não dá conta do vulcão que você tem aqui em baixo, mas eu dou. Ainda não conheci vadia que eu não desse conta e você não será a primeira. Goza, cadelinha, goza pra mim de novo – sussurrava. Juliana obedeceu e começou a gozar outra vez, apertando o cacete de Sabrina dentro dela. A boneca chegou ao seu limite e também gozou, uma explosão de lava quente e grossa dentro de Juliana. Sabrina sempre gozou fartamente, mas naquela vez ela excedeu. Foi muita porra jorrada dentro de Juliana, esperma quente, grosso e em alta quantidade. Desabou na cama em cima de Juliana e ficaram paradas sem se mexer ou falar alguma coisa. Ambas estavam destruídas, exaustas. Dormiram enroscadas uma na outra e só acordaram no meio da tarde. Estavam nuas, banhadas de suor e o quarto estava impregnado com o cheiro de sexo maravilhoso que fizeram. O corpo de Juliana estava dormente e sensível, mas ao olhar de lado e ver Sabrina ainda dormindo, correu os ...
    olhos pelo seu corpo e sorriu. Pela primeira vez na vida, sentia-se saciada, bem comida. Seu celular tocou e ela saiu do quarto para atender. Era do escritório, perguntando poque ela não fora trabalhar. Juliana inventou uma desculpa, dizendo que não estava em condições de ir, o que não era de todo mentira. Disse que, no dia seguinte, compensaria. Desligou e voltou pra cama, encontrando Sabrina acordando. Se deitou, a beijou e a aninhou em seus braços, acariciando seus cabelos. Sentia a porra dela escorregando de sua boceta e, aos poucos, o cheiro da bonequinha e o contato da sua pele ascenderam novamente seu tesão. Seus olhares se encontraram, sorriram e entenderam que seus corpos queriam mais. Voltaram a se beijar e reiniciaram a transa, agora de forma mais carinhosa e delicada, diferente do jeito selvagem de antes. Porém, transar com Sabrina, fosse como fosse, só daria em um final: orgasmo e mais orgasmo, um atrás do outro, um melhor que o outro. Como o marido não voltaria de viagem naquele dia, Juliana acabou dormindo no matadouro, a primeira de muitas noites que ela passaria com sua bonequinha, sua nova amante e futura colega de profissão. P.S. Amigos, convido todos a acessar meu recém criado blog de contos eróticos: mentelasciva.wordpress.com. Criei esse blog incentivado pelos comentários e sugestões de vocês, então espero que gostem e agradeço por todo o apoio que vocês me dão. Abraço a todos.
«123»